sábado, 5 de novembro de 2016

# baseado em sentimentos reais # relacionamentos

Não foi amor, mas poderia ter sido

Eu suspirava como se fosse amor. Fazia planos, sorria, contava histórias como se fosse o amor mais fantástico que eu havia encontrado. Tinha uma partezinha de mim dizendo pra ter calma. É engraçado como a gente deixa o corpo e a mente ser contaminada com uma ideia, mas sempre aquela partezinha se salva pra dizer "gata, calma aí, vamos pensar nisso direito". E essa partezinha era a que me dizia que não era amor. Hoje, ela completa com um "mas poderia ter sido".

É difícil controlar essa contaminação quando, aparentemente, ela só te traz coisas boas. A euforia, o coração acelerado, a animação em estar com uma pessoa especial depois de tantos anos. Era real, não tinha como não ser real. Mas a partezinha não-contaminada já dava os seus sinais. "Será?".

Os olhos estavam embaçados, não viam que a troca de olhares não era recíproca. Nós também não olhávamos para os mesmos lugares. Os corpos estavam em sintonia mas um deles não tinha aquela necessidade de ficar, de abraçar o outro até se tornar um, de se perder no abraço do outro. A pele estava contaminada também, não percebeu tudo isso.

O nariz e o pulmão já estavam treinados para reconhecer um certo perfume, um certo cheiro de pele, um cheiro específico da cabeça da pessoa que ficava no travesseiro por alguns dias. O nariz não esqueceu até hoje o tal perfume e vez ou outra ele precisa ser repreendido por procurar, como um cachorro farejador, aquele cheiro até no meio da rua.

A mente, coitada, já estava completamente fora de si, imaginando cenários, histórias, declarações de amor, surpresas de aniversário, brigas e reconciliações. Essa está em processo de descontaminação até hoje. Quem quiser entrar em contato precisa usar aquelas roupas a prova de radioatividade. A sorte é que aquela partezinha sã não fica na mente. Fica lá no meio das tripas.

Um amigo meu me disse uma vez: "Você tem que confiar nas suas tripas". E por isso faz sentido que a partezinha esteja lá. Ela aguenta toda aquela merda e continua funcionando bem. O resto dos órgãos, coitados, estão em reabilitação.

Por isso, às vezes quando os órgãos entram em colapso, a salvadora me manda mensagens. Lembra como você contava os dias? Como o coração acelerava? Como você abriu a sua vida? Mas amor não é só isso. Faltava uma parte de você. E uma outra pessoa inteira, que parecia não estar lá. Dessa vez, não foi amor, mas poderia ter sido.



Nenhum comentário:

Postar um comentário