quinta-feira, 28 de abril de 2016

# featured

Sinestesia

Eu adorava as aulas de português, na escola. Todas elas. Análise sintática, movimentos literários, redação. Mas um dos temas que eu mais me diverti e que levo os conceitos até hoje é a figura de linguagem. Sempre achei fantástico poder dizer algo sem usar as palavras exatas pra aquilo.

Tipo a ironia. Quem foi a pessoa sensacional que inventou que era possível expressar uma idéia dizendo exatamente o contrário? Quem foi a primeira pessoa a usar a ironia? Como ela foi entendida, pelo amor de Deus?

E a maravilhosa metáfora, que me permitiu dizer que o amor é uma revoada de pássaros? Obrigada por isso!

Apesar das notas altas e de conhecer a definição, eu nunca cheguei a entender o que era realmente uma sinestesia, até noite passada, enquanto eu estava deitada no sofá.

Não, eu não estava pensando na Soraia, a professora de português. Tava pensando no meu edredom.

Eu estava pensando no que precisava ser lavado e lembrei que o frio ia chegar e que eu tinha que botar o edredom pra lavar.

Toda a organização doméstica mental que eu estava fazendo foi pro Beleléu quando eu lembrei do último habitante do Planeta Terra a dividir comigo o meu edredom Queen Size numa cama de casal de tamanho normal.

Lembrei do aconchego. Do carinho. De mexer no cabelo da pessoa até ela dormir, observar ela dormindo, esperar ela começar a roncar, colocar a pessoa de lado e aproveitar o momento pra entrar numa conchinha que poderia durar o tempo que eu quisesse.

Foi aí que eu lembrei do cheiro da pele. Mas não era qualquer cheiro. Era o cheiro da pele no início da manhã, com o quarto ainda escuro. A pele de um corpo que cria coragem pra sair do edredom pra enfrentar a água fria da torneira da pia e depois o frio da rua. O cheiro morno que vinha dos braços que me abraçavam como forma de dizer "bom dia", ou o cheiro do ombro, quando a conchinha era inversa.

- Caralho, cheiro morno. É isso. Sinestesia!

Como um grande gênio com cara de "Eureka!" eu corri pra Wikipedia pra ver se eu estava certa. E estava.

Sinestesia (do grego συναισθησία, συν- (syn-) "união" ou "junção" e -αισθησία (-esthesia) "sensação") é a relação de planos sensoriaisdiferentes: Por exemplo, o gosto com ocheiro, ou a visão com o tato.

Para completar, a Wikipedia descreve a sinestesia como uma série de fenômenos provocados por uma condição neurológica.


Nós sabemos bem que condição neurológica é essa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário