terça-feira, 14 de julho de 2015

# Desafio Literário

A lista do nunca - Koethi Zan

Nono livro do Desafio Literário: livro de mistério ou suspense

A lista do nunca - Koethu Zan


Nunca pegue carona
Nunca dê caronas
Nunca grite "socorro". Grite "fogo". As pessoas são covardes
Nunca use roupas apertadas. Não tenha seus movimentos restritos
Nunca seja previsível, mude sua rotina
Nunca entre em estacionamentos à noite. Nunca
Nunca se esqueça de conferir o banco de trás e o piso do automóvel  antes de entrar no carro
Nunca se deixe encurralar. Grite, corra, lute
Nunca deixe sua bebida sair de vista
Nunca pareça vulnerável ou perdida. Caminhe com firmeza
Nunca oculte seu paradeiro. Seus amigos devem saber onde encontrá-la e com quem você está


Você se acha uma pessoa precavida? Talvez não seja tanto se você gosta de papear à noite no estacionamento quando chega da balada, se dá informações pessoais a estranhos, se aceita carona de estranhos, se não avisa do seu paradeiro a ninguém. Em A Lista do Nunca, Sarah e Jennifer montam uma lista com tudo aquilo que elas devem fazer para se manter sempre seguras. Mas nem mesmo a lista as salvou de um sequestro. Os três anos seguintes elas passam acorrentadas em um porão sofrendo as mais variadas técnicas de tortura. 

São 32 itens listados logo na capa (alguns eu escrevi ali no início) e, mais uma vez, levei um livro pela capa. Essa nem é bonita, mas fiquei intrigada com o que poderia ser a história. Por ser mulher, eu tenho que estar o tempo todo atenta ao meu redor. Tenho que me preocupar com as ruas que eu ando, com as pessoas que esbarro na rua, com os táxis que pego, com as pessoas ao meu lado no trânsito. Mulheres são sequestradas, assaltadas, estupradas, esquartejadas mais do que podemos imaginar. Inclusive o livro é de ficção, mas casos de sequestro e cativeiro, não.

Mas então. Sarah e Jennifer são sequestradas. A história não é contada de forma linear. Aos poucos a autora conta a você o passado das outras meninas no cativeiro, como elas viviam depois da liberdade, como foram soltas, quais eram seus conflitos dentro da casa. Um dia, o policial responsável pelas investigações revela que Jack, o homem que as manteve em cativeiro, terá uma audiência de condicional e aconselha que elas não devem deixar que aquele homem volte às ruas.

Eu não gosto de filmes ou livros de suspense e também de terror. Não gosto de sustos e não gosto de gente burra. A história sempre se desenrola porque alguém tomou uma atitude burra. Foi atrás de quem não deveria ir, entrou onde não deveria entrar (A POLÍCIA CERCOU O LUGAR, QUE DIABOS VOCÊ VAI FAZER LÁ DENTRO?), fala com pessoas que ela não conhece. Como na história de terror em que a família entra na casa mal assombrada. Se fosse eu, passaria longe. E é assim que as pessoas se mantém vivas e tentam ficar longe das confusões.

Se você é fã do gênero, adote essa recomendação. É um livro instigante (li em dois dias, frenética) e tem várias reviravoltas. Só achei que o nome do livro deveria ser outro. A tal lista do nunca não é tão essencial pra história.

Quem quer brincar de Desafio Literário põe o dedo aqui, que já vai fechar e não vale chorar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário