terça-feira, 5 de maio de 2015

Dramas adolescentes

Dia desses fui arrumar o quarto da Alice, que já foi meu, e encontrei alguns diários de quando eu tinha entre 13 e 16 anos, se não errei a conta. A partir daí a arrumação se perdeu porque eu sentei no chão pra remexer a papelada e ficou tudo pior do que estava.
















O que me chamou atenção foi que, até reler meus escritos, eu tinha uma noção diferente de como tinha sido minha (pré?) adolescência.

Eu tinha certeza que tinha sido a menina feia e tímida da galera, até achar uma lista com o nome dos donos das boquinhas que eu havia beijado até aquele momento. Não vou citar nomes, mas eu queria mandar um salve pras Boquinhas Que Eu Já Beijei que por acaso me acompanham por aqui, é uma honra. Temos boas lembranças! Inclusive beijei mais boquinhas aos 14 que aos 25/26. Diz muito sobre mim.

Outra coisa que percebi foi que todo esse drama adolescente com cara de Malhação e que eu não tenho paciência hoje em dia, eu vivi.

Numa determinada semana eu narrei a saga de gostar de um garoto, desgostar desse garoto, descobrir que o dito cujo gostava de mim, voltar a gostar dele e ele parar de falar comigo porque me viu de mãos dadas com outro garoto. E não, o garoto que eu estava de mãos dadas não estava na Lista das Boquinhas. Não há registro de interesse nele, nem de tentativa de fazer ciúme no outro. Logo, eu não faço ideia do motivo de estar de mãos dadas com o rapazinho.

Teve a amiga que ficou enciumada porque eu estava conversando demais com o namorado dela. Achou até que estávamos interessados um no outro. Mal sabia a moça que ele tava atrás de dicas de como impressionar a minha amiga, a namorada dele. Só queria ajudar e peguei fama de biscate, vejam só.

Fazia drama por causa de nota e ficava muito brava com a menstruação que vinha na data errada. Mas, na verdade, eu fazia as contas erradas e ela tava sempre uma semana adiantada, ao meu ver. Contando os círculos "especiais" no calendário dá pra ver que era um reloginho, não atrasava um dia. Tão humanas que não sabia contar os dias no calendário.

Merece menção honrosa o código que eu precisei inventar e decorar pra escrever coisas muito secretas. Novamente, não vou citar nomes, mas certos irmãos tinham hobby de ler meus diários e cartas, como eu já contei aqui.

O outro salve que eu queria mandar vai para as minhas amigas, tanto as da época quanto as que duram até hoje. Aparentemente eu era tão chatinha que não dei conta de ler todos os diários. Imagina me aguentar pessoalmente, todos os dias. Não deve ter sido fácil. Obrigada.

Muito drama adolescente, paixões platônicas, intrigas, reviravoltas e espera pelo príncipe que nunca veio. Felizmente eu cresci e pelo menos sei que o príncipe não vem mesmo. Inclusive, enredo de Malhação é muito mais pesado que minha adolescência. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário