sexta-feira, 15 de agosto de 2014

# batcaverna

The One With The Dirty Girl

Hoje eu abri a porta de casa e, antes de acender a luz, pisei num brinquedo. Percebi que era a Peppa pelo barulho irritante. Tratei de levar a mão ao interruptor antes de dar o próximo passo porque eu sabia que a probabilidade de encontrar uma peça de Lego pelo caminho era alta.

- Assim que eu trocar de roupa, eu volto e arrumo.

Faz uma semana que eu digo isso.

A porta da cozinha está fechada. O que os olhos não veem (a louça suja), o coração não sente (peso na consciência).

- Hoje eu lavo. Assim que terminar de guardar as compras.

(A minha sorte é que eu adoro ir ao mercado)

Abro a geladeira e vejo a caixa de leite que ficou pela metade depois da última receita frustrada. Não mexo porque já deve ter estragado. Que desperdício de dinheiro. Tem gente passando fome e a besta aqui deixando comida estragar.

Sento no sofá depois de guardar as compras. Obviamente não lavei a louça ainda. Escolho uma trilha sonora adequada para arrumar a casa numa quinta à noite e encontro Bruno e Marrone.

- Agora vai!

Não foi. Fiquei no sofá, assistindo ao show.

Olho ao redor e vejo um cenário pós apocalíptico e me pergunto como as pessoas normais dão conta. Não é possível. Eu nunca dei conta da minha própria bagunça e a bagunça de uma criança, filha de uma mãe bagunceira, é pior que a zuera, ela não tem fim. Só pode ser genético. Bagunça é uma coisa tão pessoal, né? Fico imaginando quem poderia entrar aqui, neste momento, sem que me causasse constrangimento.

- É melhor eu arrumar essa zona antes que alguém apareça por aqui.

Lembro que algumas pessoas tiveram acesso a esse universo paralelo e ficaram transtornadas. "Como você consegue?" "Você nunca vai poder morar sozinha"; "Como a gente vai conseguir morar na mesma casa desse jeito?"

- Foda-se. Vai ficar bagunçado mesmo.

E aí eu me vejo naquele episódio de Friends em que o Ross finalmente consegue sair com a mulher mais gata do museu e quando eles chegam na casa da moça, é a maior zona.

Ross: You know how you throw your jacket on a chair at the end of the day?

Joey: Yeah...

Ross: Well, like that, only that instead of a chair it's a pile of garbage. And instead of a jacket it's a pile of garbage. And instead of the end of the day it's the end of time, and garbage is all that has survived. 

O-fim-dos-tempos.

- Nossa, eu preciso arrumar isso.

A sala está arrumada. Sento no sofá com alguns segundos de sensação do dever cumprido. São segundos mesmo. Lembro que é dia de pagar o condomínio, o aluguel, a luz, a água, o telefone, vai dar meia noite. Corro pro computador. Se não resolver isso a tempo, vou ter que pagar no banco.

- Putz, no banco não.

E da preocupação com a bagunça eu passo para a preocupação com dinheiro. De repente até a louça perdeu a importância diante do grande malabarismo financeiro que estou prestes a executar.

- Não paguei o cartão, putz.

Faz conta daqui, aperta de lá, se arrepende dos livros que comprou, das roupas. Faz promessa de não comprar nada pelos próximos 3 ou 4 meses, cata moedinha pela casa, assalta o cofre da criança.

- Mês que vem vai dar tudo certo. Como é que meu pai dá conta?

Chego no quarto, exausta fisica e mentalmente por causa do trabalho, do mercado, do metrô, da cria, da semana, da fossa, da enxaqueca, do sono e dou de cara com duas pilhas de roupa. Uma de roupa suja, outra de roupa sem passar.

- Amanhã eu passo isso.

E foi assim que eu terminei a semana usando a mesma roupa duas vezes. E dessa vez não foi por falta de tentativa. Tentei passar umas camisas e ficou, ó: uma bosta. Vida que segue.

Mesmo que eu reclame, mesmo que minha mãe reclame, mesmo que você venha aqui em casa e reclame, o que importa é que eu vou chegar na minha casa, andar pela minha casa bagunçada, sentar no meu sofá, ver um filme na minha TV, depois deitar por cima das minhas roupas que estão em cima da minha cama. Tudo meu, meu canto, meu lar. São quase troféus. Não troco, não devolvo. Mas que vez ou outra dá vontade de chorar com tanta responsabilidade, isso dá.

- Amanhã eu arrumo isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário