quarta-feira, 12 de setembro de 2012

A primeira vez a gente não esquece

Sim, eu sei que o título é clichê, que é uma frase batida que todo mundo diz. Mas não consigo imaginar uma diferente que retrate tão bem a intensidade desse momento que é, afinal, inesquecível.

Depois de muito (muito!) treinar sozinha, eu achei que já estava pronta para procurar outras pessoas. Encontrar outras pessoas que me mostrassem formas diferentes de fazer o que eu já fazia, que me mostrassem novos ângulos, já que eu nunca tive quem fizesse isso comigo em casa. Era a hora. Então, entrei toda decidida no ambiente escolhido para minha primeira vez. Meio dark. Havia homens e mulheres e alguns que era difícil saber claramente se era um ou outro. Olhei, analisei todas as possibilidades e decidi que ia procurar uma pessoa que estivesse no mesmo nível que eu. Alguém que, aparentemente, estivesse ali pela primeira vez também. Escolhi um homem. Indiano, eu acho.

Fiz o convite e ele aceitou prontamente. Um gentleman! Um outro cara olhava para nós, sentado numa espécie de trono. Parecia ser o dono do local. Ele me dá medo até hoje. Acho que eu fiquei meio hipnotizada por tudo que estava em volta, pois nem percebi que o indiano já havia começado. Pensei que ele tivesse entendido que era a minha primeira vez e que, por isso, pegaria leve. Que nada. Ele mandou uma seguida da outra e eu fiquei sem reação. Um soco, uma rasteira e um gancho que me fez voar. Eu me defendia como dava. Às vezes com os braços, às vezes batendo também. Meu soco o derrubou algumas vezes, mas nada que fizesse um real estrago.

Não houve tempo para reação. Foi tudo muito rápido. Só sei que, no final, ele ganhou a luta. Primeira vez que eu jogo na Live e levo uma surra inesquecível. Offline eu era muito boa. Online eu descobri que sou vergonhosamente ruim. Não foi nervosismo de principiante. Fui de Jade, fui de Scorpion, de Sub Zero, de Liu Kang. Morri, morri, morri e morri. O problema era comigo mesmo. Decidi que não deveria voltar naquele ambiente por algum tempo. Por mais que eu estivesse procurando por novos desafios, jogar na Live exige habilidades que vão muito além do Get Over Here!. Esse indiano passou como um trator por mim mas nem deve se lembrar disso. Eu nunca vou esquecê-lo. Me machucou muito por dentro, sabe como é, né.

Nenhum comentário:

Postar um comentário