segunda-feira, 16 de julho de 2012

A Crescer e suas crianças brancas

Mãe não é só quem põe no mundo, é quem cria, quem brinca, quem canta, quem paga pelo Netflix e vê mais a Galinha Pintadinha e a Dora do que os próprios filmes e seriados, que tira onda com as descobertas do filhote e também quem entende nada do assunto e tenta aprender um pouquinho sobre esse universo nas revistas.

E foi assim que eu abri a revista Crescer pela primeira vez. Com curiosidade de mãe, de jornalista e de revisteira. Eis que lá pelo 3º mês de acompanhamento eu me perguntei: isso é revista de europeu? cadê as crianças negras? Achei que era implicância minha, então fui atrás das capas. Separei as de junho de 2011 até junho de 2012 (estão fora de ordem cronológica, o que não vai afetar a análise). Acompanhem-me:















E aí que eu me senti bastante incomodada com isso de só ter crianças brancas na capa de revista em um ano inteiro. Mandei um email bem civilizado pra eles no início junho, assim que comprei a revista do mês.

Olá, bom dia!
Acompanho a revista Crescer há um ano e desde a edição de julho do ano passado percebi que vocês não colocaram nenhuma criança negra, parda ou com traços asiáticos, ou mesmo crianças brancas com cabelos crespos na capa. Entrando no site percebi, ainda, que pelo menos, desde outubro de 2010 só há crianças brancas (e a maioria de olhos claros!). Talvez seja uma situação que acontece há muito mais tempo, mas o site dá erro nas páginas anteriores a essa data. Há alguma restrição editorial sobre isso? Como mãe e jornalista fico bastante incomodada com essa situação. Gostaria de deixar bem claro que não tenho preconceitos com crianças brancas e/ou dos olhos azuis, mas creio que uma revista deve reproduzir características e comportamentos do país em que ela circula. As crianças mostradas nas capas são maioria na publicação, mas não no Brasil. Numa época em que a gente ensina os nossos filhos que eles não devem julgar pessoas pela cor da pele, vocês simplesmente ignoram que no Brasil existem crianças de várias "cores" e que todas elas são igualmente lindas para ser capa da Crescer. Cadê a diversidade?

Aguardo resposta.
Atenciosamente,
Ericka Guimarães


Pois bem, eu estou no aguardo da resposta até hoje, um mês depois. Aí eu cansei de esperar quando me deparei com a capa do mês de julho de 2012:


E no fundo do meu coração puro eu percebi que talvez a revista esteja com dificuldades em encontrar crianças negras para ser capa. Para as imagens das reportagens também, mas isso a gente deixa pra depois. Resolvi, então, ajudar nessa procura que parecer ser muito difícil.

Eu acho que minha busca foi bem sucedida, ó:














Pronto, Crescer! Doze crianças lindas que podem ser capas da revista. Não precisa pagar nem agradecer, achei todas lá no Facebook da Beleza Negra.

Vou ter confessar que a revista já não era lá essas coisas. Depois dessa, perdeu o meu respeito e uma leitora. Uma revista que não me representa, não representa a minha família, a realidade do meu país não merece o meu tempo nem o meu dinheiro.


[ATUALIZAÇÃO] 18/07 - A RESPOSTA DA CRESCER

http://eracilada.blogspot.com.br/2012/07/a-crescer-e-suas-criancas-brancas-parte.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário